Chegando a Bournemouth

Depois de três dias em Londres, era hora de ir para a cidade onde eu passaria mais duas semanas estudando, ou pelo menos tentando, Bournemouth. Resolvi ir de trem, 50£ (aliás, somente nós falamos Libras. Nos países ingleses se fala ‘pound’)  a passagem. Saí da estação de Waterloo esperando chegar em 1h30 na cidade. Porém, não sei se comprei um bilhete de um trem que fazia um percurso mais longo, ou o que, o fato é que levei 3h para chegar à cidade. Detalhe que na Inglaterra você compra o bilhete de trem, porém, você paga pelo direito de ir dentro do trem, não necessariamente significa que você vai sentada. Demorou algumas estações até eu conseguir uma poltrona. 
O famoso balão, atrativo turístico da cidade

Cheguei perto das 7h da noite a Bournemouth. A estação de trem é quase grudadinha com a de ônibus. De lá peguei um táxi até a residência estudantil onde eu ficaria. Na cidade é tudo muito perto, mas como estava acabando de chegar, cansada e com malas, o táxi me pareceu a melhor (e mais cômoda) alternativa. A corrida saiu por 6£ (um sonho de barato). 

A charmosa estação de trem de Bournemouth
Ao chegar à residência da ETC International College tive um pequeno imprevisto. Eles não haviam recebido confirmação de que eu chegaria naquele dia. O que aconteceu foi que enviaram e-mail para o contato errado da minha agente e por isso ela não viu e não respondeu. Fui informada que havia apenas uma cama disponível (por sorte) num quarto quádruplo. Eu havia pagado por um quarto individual. Mas ok, um quarto com mais três estudantes era melhor do que ter que dormir na praia né?! A escola prometeu resolver o quanto antes aquele imprevisto e três dias depois eu já tinha o meu quarto sozinha, para encher de guloseimas. 
Minhas guloseimas que duravam em média 2 dias, depois eu renovava o estoque
Como se diz por aí, nada acontece por acaso. No fim, o imprevisto me fez conhecer uma brasileira que se tornou minha melhor amiga na escola, a recifense (estranha esta palavra, né? Mas quem nasce em Recife é recifense) Karla. Já naquela noite ela me mostrou um pouco da cidade, a famosa e linda Square, as lojas e o que mais me interessava no momento: os supermercados Tesco e Marks & Spencer. 
No meu quarto, além da brasileira Karla havia também uma francesa, a Eva, e uma espanhola, de Barcelona, a Claudia. Por mais que goste de ter um quarto só pra mim, admito que a experiência de dividir o quarto com as meninas foi ótima. 
Karla e eu durante o passeio que fizemos a Stratford-upon-Avon, a cidade de Shakespeare
Na segunda-feira fui para a escola, que era dentro do mesmo terreno da residência. Pra quem estava acostumada a fazer uma caminhada de meia hora em Salamanca, na época dos intercâmbios, chegar à escola em três minutos era algo pra me deixar de bom humor pelo resto do dia. No primeiro dia fiz uma prova de equivalência e não tive aula, pois o resultado sairia apenas na terça-feira. Então aproveitei para conhecer um pouco da cidade e fazer as primeiras comprinhas no mercado. 
Pier de Bornemouth

Comprei para experimentar e fiquei apaixonada. Sabe o cheiro do Victória Secret’s Baunilha? É igual!

Praia de Bournemouth
No dia seguinte conheci minha turma. As aulas eram das 9h às 12h30, divididas em dois professores. Pra mim que achava que não sabia nada de inglês, descobri que um pouco eu sabia sim, o problema é que como a gente não treina, chega lá e trava!  Demorei uns dias para me acostumar com eles falando. E veja bem, acostumar não significa entender. Quando comecei a entender um pouquinho mais, puft! Acabaram meus dias lá. 
Duas semanas passam muito rápido. Mas a escola proporciona atividades que tornam a estadia uma grande experiência. Mesmo sendo pouco tempo, conheci três cidades em excursões extra-curriculares, participei de festinhas organizadas pelos alunos de determinadas nacionalidades, fui ao cinema (assistir filmes em inglês, sem legenda, uma experiência interessante!) e ainda conheci pessoas de regiões do mundo que jamais imaginava conhecer, como um cara super gente boa da Arábia Saudita, o tipo de pessoa que dá vontade de colocar na mala e trazer para casa. 

Minha turma e o professor que era uma mistura de Mr. Bean e Jim Carrey
Festinha espanhola (ficou tremida, mas né, é a Espanha)
Esse filme dificilmente chegará ao Brasil, mas recomendo assistir na internet

A brasileira Karla e o árabe Òmar
No próximo post eu vou contar mais sobre a cidade, que é considerada uma das praias mais lindas da Inglaterra. 
Sunset em Bournemouth
*** Minha viagem contou com a cobertura da Assist-Med Brasil, que em parceria com o blog, cedeu o meu seguro viagem. ***





Ledinara Batista

Ledinara é jornalista, blogueira e estudante de turismo. Curitibana que adora turistar pela cidade, descobrindo lugares novos. Principalmente se esses lugares tiverem doces, guloseimas e Nutella! Suas descobertas estão aqui, no blog Férias NOW, onde dá dicas para você tirar férias, nem que seja em pensamento.

Leave a Reply