Ah… Veneza!!!

Uma cidade que sempre tive vontade de conhecer, mas que não imaginava que fosse dessa vez. Durante a semana que estava em Milão, numa das noites decidi que no dia seguinte iria conhecer Verona. Sim, queria conhecer a Casa da Julieta. Porém ao chegar ao Hostel conheci uma chica peruana, chamada Carolina. Muito simpática, Carol me disse que iria para Veneza no dia seguinte e eu comentei que tinha muita vontade de conhecer a cidade dos apaixonados um dia, mas não sozinha.  Porém, conversa vai conversa vem, ela acabou me convencendo a ir junto no dia seguinte. Sim! Eu iria conhecer Veneza. 



No dia seguinte saímos de Milão às 11h25 da manhã, num trem veeelho que fazia milhões de paradas, porém era o mais barato (17). Chegamos à Veneza 3h da tarde. A primeira impressão foi de que eu estava em um sonho. Explico: desde criança sempre tive um sonho que se repetia várias noites. Sonhava que estava  dentro de um veículo que andava numa estrada muito estreita por cima da água, em linha reta. Ao chegar à estação Santa Lucia, percebi que era exatamente como nos meus sonhos, igual! Deja vu? Não sei…

Depois dessa sensação, a impressão que tive era de que estava no cenário de um filme. Ao sair da estação, uma cidade linda nos recebeu. Não tem como não ficar de boca aberta com a visão de Veneza numa tarde de sol! 

Pegamos a balsa e fomos procurar o hostel que a Carol tinha reservado. Como eu não tinha planejado minha ida, não havia feito reserva, contava com a sorte de ter um quarto disponível no mesmo albergue, uma vez que teria que dormir ali para poder conhecer bem Veneza no dia seguinte. Como comentei em outros posts sobre a Itália, era inverno e anoitecia muito cedo. Cinco horas da tarde já era noite! Quinze minutos depois chegamos ao ponto onde deveríamos descer. O trajeto todo foi encantador. Gondoleiros passavam por nós com casais apaixonados e até mesmo turistas deslumbrados com a beleza do passeio. 


Chegamos ao albergue e a sorte estava do meu lado, porém um pouco cara. Paguei 25 por uma cama. Mas o Hostel Sweet Dreams era muito bom, espaçoso e aconchegante. Deixamos as coisas no quarto e fomos passear pelas ruelas. Lembrando que já era ‘noite’, só haviam restaurantes e bares abertos. Por isso apenas jantamos uma massa (afinal estávamos na Itália) e voltamos cedo para o hostel. A ideia era acordar cedo para aproveitar ao máximo a cidade.

Você percebe a beleza de um lugar em seus mínimos detalhes. Quando eu iria imaginar que entraria no banheiro, olharia pela janela e veria os canais de Veneza com suas milhares de gôndolas? Uma vista espetacular do banheiro! 
Ao caminhar pelas ruelas (sim, é muito fácil se perder por aquelas pequenas ruelas), descobrimos que a cidade era ainda mais linda. Não havia um lado para o qual olhássemos, sem ficar admirando. Talvez por ser inverno não havia o cheiro forte que alguns turistas dizem que tem pela cidade.  
Comprei muita pasta e molhos para trazer pra casa. Já o passeio de gôndola ficou para uma próxima vez. Oitenta euros, muito caro para apreciar sem romance! 
Passei um dia e meio em Veneza e afirmo que é, sem dúvida, a cidade mais linda das que já conheci na Itália. Com certeza quero voltar mais vezes. E espero que a cidade do romantismo consiga se manter por muitos anos ainda, pois é muito triste pensar que daqui alguns anos não teremos mais essa beleza da natureza. 
No final do dia regressei à Milão e Carol seguiu para Roma. Ela foi uma excelente companheira de viagem, e o melhor, pude conversar solamente em espanhol! :)
Ledinara Batista

Ledinara é jornalista, blogueira e estudante de turismo. Curitibana que adora turistar pela cidade, descobrindo lugares novos. Principalmente se esses lugares tiverem doces, guloseimas e Nutella! Suas descobertas estão aqui, no blog Férias NOW, onde dá dicas para você tirar férias, nem que seja em pensamento.

Leave a Reply